Truncagem

A compensação de cheques é um processo de alto custo para o sistema financeiro face à necessidade de transporte, tratamento, troca, microfilmagem, reprodução e guarda dos documentos físicos, fazendo com que todos os bancos busquem alternativas para viabilizar a modernização e automação do processo.

A Truncagem de Cheques (compensar os cheques com base somente pelas imagens e informações transmitidas eletronicamente), com a troca de imagens, representa um significativo avanço para a modernização do serviço de compensação de cheques. A troca de documentos físicos, sempre onerosa devido ao elevado custo com o transporte, será substituída por troca de arquivos eletrônicos com os dados e imagens dos documentos, resultando em ganhos qualitativos, redução de custos e elevação dos aspectos de segurança.

Nos países que ainda utilizam largamente o cheque como meio de pagamento, a digitalização dos documentos tem sido utilizada para facilitar e diminuir custos com a troca física dos documentos em papel.

As Fases de Implantação

Conforme previsto na Convenção da Truncagem de Cheques, a implantação do processo de truncagem se dará em duas fases, a de Transição e a Avançada.

A fase de Transição, onde os cheques físicos continuarão sendo trocados normalmente nas Câmaras de Compensação, tem por objetivo iniciar a modernização dos processos de compensação, possibilitando o desenvolvimento da cultura da utilização de imagens, melhorias dos processos de BackOffice, diminuição do tempo e custo para a recuperação de cópias, servindo como uma base sólida para a implementação do modelo avançado, quando deixará de existir a troca física dos cheques.

No início da fase de Transição não haverá a necessidade da inclusão de certificado e assinatura digital na montagem dos arquivos a serem trocados. Também não será necessária a criptografia para transmissão dos arquivos. Ambos os processos, certificação e criptografia, serão implantados no decorrer da fase de transição, de acordo com a legislação vigente e cronograma a ser definido pelas Associações signatárias da Convenção da Truncagem de Cheques, de modo que para a implantação da fase avançada já estejam consolidados.

Após a implantação da fase avançada os documentos físicos não serão mais trocados e ficarão retidos no banco acolhedor. Essa mudança deve gerar uma economia estimada em R$ 250 milhões/ano, somente com a redução de custos na área de transporte.

Essa automação não só reduzirá custos como também riscos, mas a truncagem também representa uma mudança cultural que envolve investimentos numa nova arquitetura de processamento, que deixa de ser centralizada, passando a captura de imagem dos cheques a ser realizada diretamente em pontos remotos como na agência, auto-atendimento ou na retaguarda do banco por meio da instalação de scanners.

Soluções Tecpoint

A Tecpoint em parceria com os maiores fabricantes de scanners (Panini e Fujitsu) empresa global fornecedora de  equipamentos para  captura e seleção de imagens, provedora  de tecnologia para serviços bancários e de pagamentos no Brasil, anunciaram uma parceria que permitirá a ambas ajudarem os bancos com os testes de captura distribuída de imagens de cheques no emergente mercado no Brasil. Como resultado da nova legislação, no sistema de truncamento, as instituições financeiras brasileiras estão se movimentando para buscar a tecnologia de captura distribuída ainda este ano. A combinação da solução Tecpoint Sistec com scanners oferecem uma solução atraente para esta iniciativa.